Arquivo do blogue

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

Fiat G91

 
Fiat G 91R3 - crédito EMFA
  
 
A Força Aérea Portuguesa utilizou entre 1965 e 1993, 85 aeronaves recebidas através da República Federal Alemã, nas versões R3, R4 e T3.  Fabricadas respetivamente pela Dornier a versão R3/T3 e pela Fiat a versão R4.

A versão R4, fornecida inicialmente, teve uma intensa utilização no teatro de operações africano em missões de combate, constituindo, pelas suas características, o principal sistema ofensivo de armas da FAP nomeadamente no território da Guiné-Bissau.


15 de março de 1973

 
O Fiat G 91 R4, com a matrícula FAP 5429, e o número de fabrico 91-4-0116, tripulado pelo piloto Tenente aviador  Emílio José Alves Lourenço é perdido, com a morte do piloto, devido à explosão prematura de uma bomba, quando voava nos céus de Moçambique.
 
 
28 de março de 1973
 
Abatido por um míssil Sam 7, nos céus da Guiné, é destruído o Fiat G 91R4 com a matrícula FAP 5419 e o registo do fabricante 91-4-0129 , falecendo o seu piloto Tenente Coronel aviador José Fernando de Almeida Brito.
  

In Diário de Lisboa



22 de agosto de 1978
 
Por colisão em voo na zona de Torres Novas é perdido o Fiat G91R4 5406, provocando a morte do Alferes Piloto aviador Francisco Manuel Pereira Santos.
 
 

In Diário de Lisboa
18 de fevereiro de 1981
 
O Fiat G 91R3, com a matrícula FAP 5457 e nº. de fabrico 91-464, colide com o solo, quando voava a baixa altitude,  na zona de Montargil, falecendo o seu piloto Tenente aviador José Manuel Gabriel de Oliveira.
   

In Diário de Lisboa
15 de junho de 1982
 
Despenha-se, no decurso de manobras acrobáticas,  na Base Aérea do Montijo o Fiat G 91R3 com a matrícula FAP 5450 e o número de fabrico 91-428, morrendo o Capitão Piloto aviador Luís Filipe Miranda Pimenta, não obstante se ter ejetado.
 

In Diário de Lisboa
 
06 de março de 1986
 
Um Fiat G 91R3, com a matrícula FAP 5463, e o número de fabrico 91-384, despenha-se em Santa Suzana - Alcácer do Sal, na decorrência de um exercício de ataque a baixa altitude, falecendo o Alferes Piloto aviador Celestino A. Livramento Mira Grosso. 
 
 
 

  
 
 
 

 


 
 


F - 16A - Fighting Falcon

Patrulha F- 16A - Crédito EMFA


 
Em 1994, foram recebidos os primeiros 20 aparelhos, 17 F-16A e 3 F-16B, adquiridos junto do então fabricante a General Dynamics Corporation.

Em 2002 foi recebido mais um lote de F-16, desta vez, oriundos dos stocks da Força Aérea Norte Americana.

Os F-16 constituem a espinha dorsal da aviação de combate portuguesa.

8 de março de 2002

O caça F-16A com a matrícula FAP 15111, e o registo USAAF 93-0475, despenha-se na Base Aérea 6, Monte Real, Leiria tendo falecido o piloto.

O acidente deveu-se a uma colisão com antenas de rádio, quando o seu piloto Capitão aviador Jorge Cardoso de Moura, efetuava exercícios de acrobacia.




F-16A 15112 - Crédito EMFA


 

Vickers Valparaiso

 Vickers Valparaiso - crédito EMFA Adquiridos à fábrica inglesa Vickers em número de catorze, distribuídos pela versão I (motor Na...

As + vistas