Arquivo do blogue

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Vickers Valparaiso




Vickers Valparaíso - crédito EMFA

atualizado em  27  de março de 2021

Adquiridos à fábrica inglesa Vickers em número de catorze, distribuídos dez pela versão I (motor Napier Lion) e quatro pela versão II (motor Rolls-Royce Eagle), serviram a aeronáutica militar entre 1923 e cerca de 1936.

A partir de 1933, 13 unidades foram reconfiguradas nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico - OGMA, com um novo motor (Júpiter) passando a ser designados por versão III  


25 de maio de 1928

O Vickers com o número 7 da Aeronáutica Militar, colidiu com um moinho de vento existente junto ao quartel, na Amadora, provocando a sua destruição, a morte do Capitão Aviador João Paulo Pinheiro Aragão e ferimentos no mecânico.


In Diário de Lisboa


 

sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Maurice Farman F-40


atualizado em 27 de março de 2021

Construídos pelos irmãos Henry e Maurice irmãos Farman em finais de 1915, o biplano F-40 destinava-se primordialmente a missões de observação.

Com uma velocidade máxima de 135 km/hora, tinha um teto de serviço de cerca dos 4.000 metros e uma autonomia de duas horas e vinte minutos. 

A Aeronáutica Militar recebeu em 1916 cinco unidades que prestaram serviço até 1920.

Devido à primeira guerra mundial e aos seus efeitos no território moçambicano, foram transferidas para aquele território três aviões, dando assim corpo à Esquadrilha Expedicionária de Moçambique, baseada em Mocimboa da Praia.

O primeiro voo naquele território ocorreu a sete de setembro de 1917.


 8 de setembro de 1917

Na sequência de uma volta mais apertada, colide com o solo o Farman F-40 com a matrícula F-3 da Aeronáutica Militar.

O Alferes de Cavalaria Aviador Jorge de Sousa Gorgulho, perde a vida no acidente, sendo o primeiro mártir militar da aviação.


in jornal A Capital
8 de dezembro de 1917

No auge de uma revolta militar em Lisboa, é atingido por tiros disparados pelos revoltosos na Rotunda, um Farman F-40, tripulado pelo 2º Tenente da Armada António Joaquim Caseiro e pelo observador Tenente Coronel Alfredo Martins de Lima.

o Tenente Coronel Martins de Lima perde a vida no mesmo dia, acabando o piloto por falecer no hospital no dia 13 de dezembro.

in Jornal A Capital

in Jornal A Capital

in Jornal A Capital
















quarta-feira, 22 de agosto de 2018

Fontes escritas e digitais consultadas







  Escritas:


  • Abecasis, José Krus - Bordo de Ataque – Memórias de uma caderneta de voo e um contributo para a história, I e II volumes - Coimbra Editora – 1985
  • Abreu, Luísa e Ventura, Pedro - De Havilland DHC-1 Chipmunk – 60 Anos de Memórias – FAP
  • Andrade, John M. - Spanish and Portuguese Military Aviation - Midland Counties Publications - 1977
  • C 212 Aviocar, Ao Serviço de Portugal desde 1974 -  Esquadra 401 – FAP – 2011
  • Cann, John P., Plano de Voo Á Africa, O Poder Aéreo Português na Contrassubversão 1961-1974, Comissão Histórico-Cultural da Força Aérea, Maio 2017
  • Cardoso, Edgar Pereira da Costa - História da Força Aérea Portuguesa - volumes I, II e III – Edição Cromolor – 1981/1984
  • Cardoso, Adelino - Aeronaves Militares Portuguesas -  Essencial, 2000
  • Cardoso, Adelino - Aeronaves Militares Portuguesas, Cem Anos de Aviação em Portugal - Fábrica das Letras, Lda. – 2009
  • Carvalho, António C. Mimoso e Tavares, Luís Armando Duarte - Fiat G91 20 Anos na Força Aérea Portuguesa -  Edição dos autores
  • Coutinho, Alexandre e Garcez, André e Mata, Paulo - F-16 Falcões e Jaguares - Edição Autores – 2011
  • Coutinho, Alexandre - Alouette III na Força Aérea - Contra a Corrente - 2013
  • Dez Décadas de Força Aérea – Centenário da Aviação Militar Portuguesa – Comissão Histórico-Cultural da Força Aérea - By the Book – 2016
  • Domingues, Rui e Ferreira, José e Araújo Filipe - T – 6 Lusitanos - Núcleo de Modelismo de Espinho – 2011
  • Figueiredo, Luis Palma - História das Esquadras de Helicópteros da Força Aérea Portuguesa,  Fronteira do Caos, 2018
  • Fraga, Luis Alves, A Força Aérea na Guerra em África – Angola, Guiné e Moçambique, 1961-1974, Editora Prefácio, 2004
  • Granja do Marquês – Berço da Aeronáutica Militar Portuguesa, Força Aérea Portuguesa, 2009
  • Lopes, Mário Canongia e Costa, José Manuel Rodrigues - Aviões da Cruz de Cristo, 75 anos da Aviação Militar em Portugal – Dinalivro – 1989
  • Lopes, Mário Canongia - Spitfires e Hurricanes em Portugal – Dinalivro - 1992
  • Lopes, Mário Canongia - Os Aviões da Cruz de Cristo – Dinalivro - 2000
  • Panado, Juan Carlos - Casa Aviocar C-212 - Reserva Anticipada Ediciones - 2004
  • Rosado, José Paulo - T – Bird – Lockheed T-33 – Força Aérea Portuguesa - Edição do Autor - 1994
  • Tadeu, Viriato, Quando A Marinha Tinha Asas – Anotações para a História da Aviação Naval Portuguesa 1916-1952 - Edições Culturais da Marinha - 1984
  • Tavares, Luiz Armando e Soares, Armando Jorge - Portuguese Fighter Colours 1919 – 1956 – MPMBooks - 2016;
  • Jornais diários diversos, principalmente Diário de Lisboa, Diário Popular, Jornal A Capital e Diário de Notícias., 
  • Revistas:
    • Ilustração Portuguesa, diversos números;
    • Mais Alto, diversos números;
    • da Armada, diversos números;
      Air Enthusiast 13 – August/November 1980 – Portugal´s Fighters, 1940-1952;
    • Air Enthusiast 31 – July/November 1986 – Portugal´s Thunderjet;
    • Air Enthusiast 40 – September/December 1989 – Latin Lockheed PV-2S;
    • Air Enthusiast 73 – January/February 1998 – Portuguese Military Aviation;
    • Air Enthusiast 75 – May/June 1998 – Portuguese Serials e High-Winged Workhorses;
    • Air International vol. 20 nº 3 – March 1981 – Survival of the Fittest?;
    • Air Magazine nº 65 Novembre/Décembre 2015 - Les Hurricane Portugais de “Angels one Five”
    • Flight International, 24 maio de 1986 e 16 de maio de 1987 
    Por consulta:
      •  Arquivo Histórico da Força Aérea;
      • Arquivo Histórico do Exército
      • Hemeroteca Municipal - Câmara Municipal de Lisboa
      • Fundação Mário Soares
      • GPIAAF - Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e de Acidentes Ferroviários
    Digitais:




    terça-feira, 7 de agosto de 2018

    Morane Saulnier MS 233




    atualizado em 05 de novembro de 2019

    Construídos nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico, sob licença da Francesa Morane Saulnier, os 16 aviões serviram a Aeronáutica Militar entre 1931 e 1938.


    08 de junho de 1931

    O MS 233, com o matrícula 4 da AM,  cai no rio Tejo, na zona da Valada, após uma manobra de acrobacia mal sucedida.

    Perdem a vida o Tenente Aviador Manuel Encarnação Abreu e o Sargento Mecânico Manuel Gameiro.


    In Diário de Lisboa


    In Diário de Lisboa

    22 de fevereiro de 1934

    Colidem em voo na Granja do Marquês, Sintra, dois MS 233, morrendo na colisão o Tenente Coronel Aviador António Jacinto da Silva Brito Pais, o Capitão Aviador José Avelino Andrade e o Capitão Aviador António Rodrigues Alves.

    
    In Diário de Lisboa 


     

    Gipsy Moth DH-60G - De Havilland



    atualizado em 21 de outubro de 2019

    Foram quatro, as unidades construídas pela inglesa De Havilland, que equiparam a Aviação Naval.

    Igualmente se referencia um DH 60 Moth civil, mais precisamente o CS-AAI, ligado historicamente a uma viagem, em 1934,  de Portugal à India pelo aviador civil Carlos Bleck, destruído num acidente posteriormente. 

    18 de junho de 1937

    Um Gipsy Moth, tripulado pelo 2º Tenente Aviador Isidro Martins da Palma Faria, tem um acidente na descolagem em São Jacinto, Aveiro.

    O infortunado piloto faleceu no Hospital da Marinha no dia 21 de junho.


     
    In Diário de Lisboa


    
    10 de outubro de 1947

    Colide contra o arvoredo, junto à quinta dos pais do piloto Luis Coutinho, o DH-60 Gipsy Moth, com a matrícula civil CS-AAI pertencente ao Aero Clube de Portugal. No acidente perdem a vida os Soldados Cadetes Luis Godinho Pinheiro Dias Coutinho e Ruy Castro de Azevedo Musso Ferraro.


    In Diário de Lisboa

    segunda-feira, 6 de agosto de 2018

    Potez 25 A2


     


     
    atualizado em 07 de novembro de 2019

    Construídos em França pela Société des Aéroplanes H. Potez, foi recebido pela Aeronáutica Militar em 1931, um primeiro lote de oito aviões preparados para missões de reconhecimento.
    Mais tarde foram construídos nas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico – OGMA, vinte e sete unidades, com ligeiras alterações em relação aos fornecidos inicialmente  e, com o objetivo de serem utilizados em missões de bombardeamento.

    A utilização destas aeronaves cessou em 1943.

    15 de agosto de 1935
    É perdido devido à explosão prematura de uma bomba em Maceda, Espinho, o Potez da Aeronáutica Militar com a matrícula 335.

    
    No acidente perdem a vida o Capitão Aviador Jorge Figueiredo e o Alferes João Mateus Cruz.

    
    In Diário de Lisboa



    In Diário de Lisboa

    24 de abril de 1940
    O Potez com a matrícula da Aeronáutica Militar número 305, é perdido no lugar de Azinhaga, Golegã, devido a choque com a torre da Igreja da Nossa Senhora da Conceição onde se desenrolava o casamento de uma prima do piloto.
    Morrem no acidente o Cabo aviador Fernando Gomes e o Soldado José Maria Campos.


    3 de janeiro de 1941
    Na Chamusca, é perdido um Potez devido a colisão com o solo, certamente motivada pela situação da passageira transportada no avião ter saído do lugar e o piloto ter tentado recolocar a passageira no local.

    Perdem a vida o Alferes piloto Carlos Herculano Meireles e a civil Maria Nela Oliveira de Arriaga irmã de Kaúlza de Arriaga.


    In Diário de Lisboa
     
     
     


     

    Hawker Osprey


     
     
    atualizado em 07 de novembro de 2019

    Oito unidades construídas pela inglesa Hawker Aircraft Ltd foram utilizadas pela Aviação Naval entre 1935 e 1941. Como curiosidade o facto de estes hidroaviões, os dois adquiridos inicialmente, terem equipado os avisos de 1ª classe Afonso de Albuquerque e Bartolomeu Dias.

    26 de junho de 1942
    O Hawker Osprey III com o número 6 da aviação naval é perdido em Macau tendo-se despenhado numa zona habitacional, mais propriamente no bairro Tap Seac, provocando uma morte civil.

    No desastre perderam a vida o 2º Tenente Aviador Rodrigo Henriques Silveirinha e o 1º Sargento Mecânico Joaquim Macedo Girão.
      




     

    Noratlas






     
    atualizado em 07 de novembro de 2019

    Avião intensamente utilizado no teatro de operações africano, nomeadamente em missões de transporte, equipou a Força Aérea, entre 1960 e 1976. Foram utilizados pela FAP as versões: N-2501D; N-2502A; N-2502B e N-2502F, esta última construída exclusivamente para a FAP, numa altura em que o fabricante francês, a Nord Aviation, já tinha encerrada a linha de fabrico.

    2 de maio de 1973

    O Noratlas com a matrícula FAP 6411 e o número de fabrico F5, é perdido em Mueda, Moçambique devido a colisão contra o terreno após embate em árvore.

    No grave acidente perdem a vida os seguintes militares:
    Capitão Piloto aviador Alfredo António Penacho de Azevedo;
    Tenente Piloto Navegador Manuel Amador Pesquinha da Silva;
    1º Sargento MMA José Armando Santa Rita Varandas;
    1º Cabo MMA Alberto Manuel Lopes Santiago;
    1º Cabo RT Daniel Pereira Dias;
    1º Sargento MELEC Francisco da Cruz Botelho;
    1º Cabo MELEC António José Ramos Valente;
     Furriel Transmissões Augusto Arede Correia Costa;


    In Diário de Lisboa

    Apresentamos um conjunto de fotos do acidente cujo autor se encontra identificado nas mesmas e que reproduzimos, com a devida vénia,  do blogue. http://ultramar.terraweb.biz/index.htm















     26 de setembro de 1975

    Devido a uma provável falha mecânica, relacionada com um motor, despenha-se em Tancos o Noratlas com a matrícula FAP 6422 e o número de fabrico D050.

    Perdem a vida no acidente:
    Major Piloto aviador Adalberto Gastão Grilo de Sousa Dias;

    Capitão Piloto navegador Fernando Eiró Gomes;

    1º. Sargento piloto Nuno José Vilela Freire Horta;
    Sarg. Ajudante Piloto Manuel Lourenço Barbosa Caridade;

    1º Sarg. MMA Augusto Braz Marques;
    1º. Cabo MMA Gabriel da Conceição Lopes;
    1º. cabo António Manual Paiva Catralo;
    Soldado José António Barroqueiro.







    In Diário de Lisboa


    In Diário de Lisboa


    Vickers Valparaiso

     Vickers Valparaíso - crédito EMFA atualizado em  27  de março de 2021 Adquiridos à fábrica inglesa Vickers em número de catorze...

    As + vistas